Na ESPM-Sul, elas começam cedo

Universidade promove empreendedorismo

O Brasil possui 7,9 milhões de mulheres no comando de micro e pequenas empresas, o que representa 32% de um universo de 24,9 milhões de empreendedores. Os dados são do Sebrae que aponta um aumento de 1,6 milhão de empreendedoras no país de 2003 a 2014. Conforme o Sebrae, a participação feminina, em 2003, era de 29%. Já a Pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), divulgada recentemente, indica que metade dos empreendedores, com até três anos e meio de atuação no mercado nacional, são mulheres.

Já não é mais novidade que as mulheres estão focadas em investir no próprio negócio e vem se destacando no empreendedorismo. Quando essas mulheres têm apoio, a coisa fica ainda mais fácil. É o que vem acontecendo na ESPM-Sul. A universidade auxilia as empreendedoras na conectividade, fortalecimento e fomento de seus negócios por meio da Incubadora de Negócios (I-LAB).

Quem conta como funciona é o Coordenador da Incubadora de Negócios da ESPM-Sul, Nelmar Vaccari, em uma entrevista exclusiva ao Negócio Feminino. Espia só:


Negócio Feminino - O que motivou a ESPM-Sul a ter um núcleo que promove o empreendedorismo?

Nelmar Vaccari - A ESPM-Sul entende que o empreendedorismo é atualmente uma opção de carreira para todos os profissionais que iniciam a vida profissional. Aqueles projetos de negócio inovadores, que no passado não passavam de sonhos, hoje são desejos de nossos estudantes. A carreira formal como executivo de empresas não é mais a única opção. Nessa linha, a Incubadora da ESPM Sul atende justamente esta vertente de demanda, alimentando o espírito empreendedor entre seus alunos e criando condições efetivas para que aqueles que optarem por este caminho tenham apoio.

NF - Quais as expectativas com esse núcleo?

NV - A Incubadora de Negócios da ESPM Sul espera que os projetos de negócio inovadores se transformem em empresas de sucesso, geradoras de novos empregos e que ajudem a movimentar a economia local. Independente desta questão real, temos a expectativa de disseminar o espírito empreendedor dentro da comunidade acadêmica, através da efetiva prática dos conceitos de gestão.

NF - Quais as maiores dificuldades enfrentadas por esses jovens?

NV - As dificuldades principais são a falta de experiência dos empreendedores e as barreiras formais e legais que existem para aqueles que querem abrir seus negócios no Brasil. Justamente nestes pontos que estão centrados os maiores esforços da Incubadora de Negócios da ESPM Sul, utilizando as múltiplas competências de seu quadro docente para encaminhar todas as questões que dificultam a implementação dos projetos.

NF - Quantas empresas já passaram pela incubadora? Quantas já estão? Quantas que passaram pela incubadora estão no mercado, ou seja, andando sozinhas e fora da incubadora?

NV - Em seis anos de operação, a Incubadora de Negócios da ESPM Sul já acolheu mais de 130 projetos diferentes e 12 deles hoje são empresas ativas e que operam no mercado. Embora fora da Incubadora, todas ainda recebem apoio sempre que necessário para se manterem inovadoras e com projetos de crescimento.