Cris escreve todas as sextas-feiras.
Caminhos prepostos

 

Marte. Vênus. Saturno. José. Alice. Pedro. Céu. Terra. Mar. Cada pessoa é um planeta inteiro. Cada pessoa identifica-se com o que de mais precioso tem na natureza. Uma imensidão de sentidos, cores, sentimentos. Imensidão de quereres, de desejos, de vazio.

Somos feitos de tudo e de nada. Somos um pouco um do outro. Às vezes nem somos. Trejeitos repetem-se. Palavras repetem-se. Atitudes também.

Que matéria é essa que transforma-se sem paradeiro? Que faz da terra, rio; do céu, mar; de um planeta, outro? Basta embaralhar as cartas e pronto. Tudo é renovado. A alma que deixa o corpo. O corpo que volve à terra. As memórias que ficam por conta das bocas falantes, das letras escritas e dos pensamentos solitários.

O nascer e o morrer são partes do mesmo. São ciclos que também repetem-se numa constante alucinante. Todo o tempo, todo dia, no mundo todo.

Se vamos e voltamos, pacifica o coração, pois o em vão não participa e os por quês encontram respostas. Escolhi crer que assim é e assim vivo, para ascender e aprender dia após dia.

Sinto-me parte do mar e do ar. Com os pés na água e a brisa no rosto, renovo-me. Vênus, segundo a ciência dos astros, rege minha vida. Gosto disso. Sintonia presente.

Identifico-me com minha mãe, com meu pai, com algumas amigas. Quando vejo, ecoo suas vozes, que por ora, tornam-se minhas. No entanto, quando esse eco destoa daquilo que não enaltece o outro, pelo menos aos meus olhos, acabo distante de mim. Paraliso. Adentro na intimidade de meu ser para que dali repercuta algo novo. Algo que enlace com meus próprios quereres.

Como num jogo, lançamos os dados e andamos as casas determinadas de acordo com nossas atitudes, nossa bagagem. Desenhamos e redesenhamos a jornada. Num lapso, percebemos que nossa vida é feita muito além de nós.

Outros tantos influenciam. Positivando ou não nossos caminhos.

Cada pessoa é um planeta, mas fazemos parte da mesma galáxia, não importa se nascemos na Índia, na África ou no Brasil. Não importa se temos cores e crenças distintas, não importa se falamos línguas diferentes e se nossas culturas divergem. Somos um todo que necessita de unidade, de mais amor e de paz. E é nessa direção que precisamos caminhar. Cada um a sua maneira, com sua fé, com suas forças. O destino é um só, apenas precisamos encontra-lo em nós.