Cris escreve todas as sextas-feiras.
A cura pela crise

Não posso começar esta crônica falando dos últimos acontecimentos, pois todo o dia tem sido dia de notícias cruéis com desfechos trágicos. O mundo está doente. Isso é fato e o remédio pode ser a crise. Pois é a partir dela que ficamos conscientes do estado lastimável que nos encontramos e um movimento de cooperação em prol de uma transformação pode se tornar realidade.

Nasci em 1978 e desde que me entendo por gente, não lembro de uma fase tão negativa, tão infernal. Principalmente no estado do Rio Grande do Sul, que já virou terra de ninguém. A capital gaúcha, nem se fala. Porto Alegre deveria levar outro nome, pois nada tem de Porto e muito menos de Alegre.

Como se não bastassem os assaltos, requintes de crueldade são traçados sem nenhum pudor. A sociedade está infectada de psicopatas e a favor deles, hipócritas e demagogos os defendem para ganhar voto.

Faltam presídios, sentenças mais severas e cumprimento de penas com rigor.

A maioria dos crimes que temos visto acontecer são reincidentes. O bandido que matou, já tinha passagem pela polícia por homicídio. Aquele que estuprou, idem. O assaltante também. Os marginais, que deveriam estar à margem da sociedade, estão soltos e nós, cidadãos de bem, em prisão perpétua.

Sempre andei atenta, alerta, mas com um filho, a atenção redobrou. Não tenho que proteger só a mim, tenho que zelar por ele, por nós. A responsabilidade é outra. O amor é tão absurdamente grande que não posso nem imaginar meu mundo sem ele.

Para mim, a vida sempre foi valiosa, mas com a chegada do Martim, ganhou novo significado. Desejo viver cem anos, somente para participar da vida dele e apoiá-lo em todos os momentos.

Por isso cuido muito da gente e espero que toda essa crise sirva de cenário para uma grande mudança: que o sangue pare de jorrar das ruas, dos jornais, das redes sociais, que a paz volte a reinar em todos os lugares e que de uma vez por todas a corrupção seja emparedada, deixando assim que flua com nitidez a segurança, o ensino e a saúde em nosso país.