Caroline escreve mensalmente, sempre nas terças-feiras.
Estamos em crise. Mas não é essa que você pensa.

Sempre que abro um portal de notícia ou até mesmo um jornal diário, me pergunto: onde estão os lideres? 

E não foi diferente, ao ler a Zero Hora do dia 07/02, ao qual reproduzo aqui as palavras do então Secretario de Desenvolvimento do RS, Fabio Branco, ao justificar o porquê de apenas 20% dos contratos de empresas com intenção de investir no estado saíram do papel.

"O ideal seria 100%, claro. Mas não podemos tirar o pé do chão porque tem toda uma crise por ai. Evito colocar uma meta porque posso ser cobrado depois. E quero ser cobrado por aquilo que efetivamente está nas minhas mãos, que é trabalho".

Como alguém que ocupa um cargo de gestão e que automaticamente é alçado a status de líder pode falar em ausência de metas, objetivos e responsabilidade. E ainda registrar isso em uma entrevista. É como dizer: “o que vier vem bem,” ou seja, a legitimação da resignação e da mediocridade.

Sem dúvida alguma, caminhamos no melhor estilo Zeca Pagodinho, deixando a vida nos levar à situações do seu bel prazer. Estamos verdadeiramente em crise, mas não se trata apenas de uma crise econômica e política, mas sim de liderança. Porém, reduzir essa crise a inexistência pura e simples de novos lideres é "tapar o sol com a peneira".  O problema não é a ausência de líderes, mas na falta de líderes capazes de construir uma visão com significado e propósito para sua equipe.

Precisamos de líderes capazes de inspirar as pessoas, não de ocupantes de cargos que são apenas promotores da automatização. O verdadeiro líder possui senso de responsabilidade e comprometimento com a mudança da realidade atual.

Infelizmente, há poucos líderes comprometidos com essa forma de ver e agir. Uma explicação pode ser encontrada no nosso dia a dia, como um reflexo de uma sociedade que acredita que ter visão, responsabilidade e capacidade de inspirar seja algo para poucos e que essa responsabilidade está atrelada a quem "manda", ou seja, aquele que tem um cargo antes do seu nome.

Liderança não se reduz ao ambiente corporativo, das 8h às 18h, com terno e gravata. Todos somos líderes. A final, todos precisamos, em muitos momentos da vida, tirar o foco do problema e colocá-lo na solução.

Ter a visão de onde queremos chegar, traçar objetivos, equilibrar a atenção entre os diversos setores da vida é fundamental para atingir uma estado de alta performance e acessar novas oportunidades. Enquanto continuarmos achando que isso é tarefa dos "chefes", de quem "manda", do "gestor" e continuaremos vivendo essa crise de liderança.

Quando falta autoliderança, sobra irresponsabilidade, descompromisso e acomodação, fazendo com que as metas fiquem abertas, para quem sabe, um dia, dobrá-las ou não precisarmos nos responsabilizarmos por elas.