Aldrey escreve a cada 15 dias, sempre nas quartas-feiras.
Finanças na vida de casal

Por muito tempo somos acostumados a administrar as nossas finanças sozinhos, com nossos gastos fixos e variáveis, nossas dívidas e nossos investimentos.

Ao iniciar uma vida a dois “essas finanças” mudam um pouco e o pensamento não poderá mais ser na via individual. Todos sabemos que um dos motivos de discussões entre casais é o dinheiro, então como evitar esse tipo de transtorno?

Na vida a dois é bem fácil perceber quem é mais gastador e quem economiza mais, é tão fácil quanto abrir o guarda roupa e só pela organização saber de quem pertence aquele lado, dessa forma um poderá ser o equilíbrio do outro. Conversar, saber os objetivos de cada um, bem como a experiência com investimentos é o primeiro passo. Aprender um com o outro.

Quando as escovas de dentes são juntadas é necessário combinar quem pagará o que em casa, se tudo será dividido meio a meio ou se será proporcional ao salário.

Programar uma viagem juntinhos de férias é um exemplo de organização financeira a dois: qual o valor da viagem? Quem comprará as passagens  e quem reservará o hotel? Qual o valor  a ser levado? Cada um vai juntar a sua parte ou irão economizar juntos por um lapso temporal? E essa economia, será guardada onde e de que forma?

Ter ciência de uma dívida – não poderá existir omissões na relação  financeira -  e também o que é prioridade para cada um fará toda a diferença  na hora de se organizarem. Apesar de planejar uma vida financeira em conjunto, ter conta bancária individual para preservar a independência é válido.

Conta conjunta poderá ser interessante para objetivos em comum, seja uma viagem ou a aquisição de um apartamento mais amplo, por exemplo, eles poderão ser alcançados mais rápido e de forma mais fácil se ambos guardarem juntos uma porcentagem X de seu salário. O tema “finanças” tem que ser uma conversa leve entre o casal. É um passo importante para um relacionamento duradouro e maduro.

Outra questão é definir o regime de bens a ser adotado, possuímos no Brasil o regime de comunhão total de bens, comunhão parcial de bens, separação total de bens e participação final nos aquestos, pesquisar ou tirar dúvidas com um amigo advogado da área de família poderá facilitar na decisão.

Planejar ter ou não ter filhos e organizar a forma da aposentadoria fazem parte da afinidade e equilíbrio do casal.

Os dois precisarão ter uma Educação Financeira, mas o mais importante será a transparência, o respeito pelas decisões de cada um e saber que uma vida a dois não é fácil, porém é muito mais gostosa.aber que uma vida a dois não é fácil, porém é muito mais gostosa.