Cris escreve todas as sextas-feiras.
Perda de tempo, não vale!

Hoje fiquei pensando em como perdemos nosso tempo. Não nos damos conta de que ele voa e que não sabemos como será o amanha, se ainda estaremos aqui, se quem está conosco, ainda estará aqui.

A vida é um instante na eternidade e mesmo assim insistimos em tratá-la com desdém. Sim, porque perder tempo é exatamente isso, tratar mau a vida. Virar a cara para o sol, dar um tapa na brisa, sufocar-se com palavras duras.

Como diz a música: “é preciso saber viver”. É preciso valorizar nossos dias, o agora, o hoje, focar no que realmente importa, no que faz nosso coração vibrar, nossa alma dançar.

Sempre pensei assim. Mas nem sempre agi assim. No correr das horas, nos afogamos em sentimento rasos, mágoas, egos, orgulho. E esquecemos que basta levantar a cabeça para perceber que o copo está meio cheio, é só tomar fôlego e mudar a lente.
Sempre pensei assim e hoje mais do que nunca, quando olho para o meu filho, tenho a certeza de que esse é o caminho para encontrar a paz e viver momentos de felicidade e amor.

Não vale a pena perder tempo com cara feia, porque o parceiro atrasou, porque as coisas não saíram conforme o combinado, porque o dia está nublado, porque a comida ficou salgada, porque o cara me cortou no trânsito, porque o cachorro fez xixi no tapete da sala, por causa de uma noite mal dormida, porque os negócios não foram conforme o planejado, porque entupiu o cano, porque faltou luz, porque acabou o fósforo e a vela, porque as notas não andam boas, porque gostamos de quem não gosta da gente, porque achamos que alguém nos olhou atravessado, porque falta horas em nossos dias, porque a conta do banco está no vermelho, porque nosso time perdeu, porque a violência tá grande e a corrupção parece que corre solta.

Não vale a pena perder tempo com tantas desculpas.

Nem vale se fazer de vítima diante do mundo.

Vale sim, olhar com delicadeza para o que de positivo temos. Para os olhos do nosso amor, de nossos filhos, de nossos pais e avós. Para a alma de nossos amigos mais preciosos. Enfim, olhar para o outro, mesmo que não o conheçamos. Vale valorizar a união, nossos irmãos, nossa família. Simplesmente, porque numa dessas nuances de raiva e mágoa, podemos perder a chance de fazer às pazes.

Não podemos deixar que os problemas ou neuroses ou paranóias  controlem nossa mente, nossas atitudes e nos deixem míopes, nos levando a caminhar em uma direção de equívocos, onde nem sequer conseguiremos olhar para o lado e perceber os milagres, a beleza e tudo de bom que a vida  já nos oferece. É tudo uma questão de escolha. Um exercício diário, mas que vale todo e qualquer esforço.