Alessandra escreve quinzenalmente.
Como poderemos ter melhores diálogos?

 

Concorda que se a comunicação da gente melhorasse muita coisa de ruim não teria acontecido?  Sou a favor da “Comunicação Não Violenta” onde as abordagens para lidar de forma mais compreensiva nos relacionamentos humanos é o grande foco.  Hoje em dia está cada vez mais difícil falar, nos fazer entender, ouvir o outro, por isso, pensar a respeito se faz urgente, pois  no Coachtório, nos treinamentos sinto cotidianamente como uma grande dificuldade atualmente das pessoas.

A vida é relacionamento,  expressão, julgamento todo tempo, quando estamos ouvindo o outro não temos uma escuta atenta,  ligamos o “desconfiometro” e vamos em frente quase que no automático e não paramos nem para prestar atenção, analisamos antes mesmo do outro terminar de falar, deduzimos tudo e não pensamos os porquês daquela fala, de onde veio esta idéia, da forma sensata que deveríamos perceber aquele contexto e saber de que nem sempre é pessoal,  de como pode ter ali, sofrimento, defesa antes que ataque. Em contrapartida, falamos o que vem a cabeça, não colocamos filtro, discutimos com o que já está resolvido, tentamos ininterruptamente fazer com que a nossa idéia seja a melhor, a mais perfeita e como estamos também no automático, imagina o tipo de diálogo que estamos acostumados e o pior, “somos pateticamente repetitivos” ( frase da minha amada psicóloga Andressa Bellé) como seres humanos, desprovidos de criatividade quando o assunto é a defesa das nossas idéias e atuação na vida.

Para mim tem algo pior de tudo isso:  O COSTUME. Estamos acostumados com o que não gostamos. Morro de medo desta palavra, sério, não gosto de me acostumar com nada, pois quando a gente se acostuma as coisas estagnam, a gente não evolui, não vibra, não se desafia, não propulsiona  para frente a vida, já pensou sobre isso?

Sou á favor de uma comunicação com um cérebro bem educado,  onde esta conversa pode ser mais efetiva, lúcida, afetuosa capaz de fazer sentido e minimizar conflitos, consigo, com o outro. Pode salvar amizades, contemplar a harmonia, não ver como pessoal, diagnosticar sofrimento alheio e aí, não respondemos tão rápido, ter entendimento em relação a limitação do outro,  ser mais afetuoso e não igualar uma briga. Te interessa?

Sempre que este assunto aparece procuro certificar de que na vida temos opções e com estas inteligentemente possamos mudar o rumo de uma conversa efetiva para uma melhor assertividade.

Vamos dar algumas dicas:
1. Olhe macro, entenda os porquês daquela fala o que realmente tem por trás disso.
2. Analise contexto e não ache que é tudo pessoal. Tem pessoas que não sabem se comunicar e se expressam de forma errada, dura, nada construtiva ( e sempre foi assim, do que não sabias? Quando repetidamente alguém do teu convívio sempre age da mesma forma e tu, a cada fala do outro, se machuca).
3. Pense antes de falar, a maioria das vezes quando alguém te diz algo que te desagrada ou mesmo que não é verdade, não terás nada que tu fales que irá reverter o pensamento do outro naquela hora, a brabeza cega. Se tu quiseres, se valer a pena, deixa acalmar os ânimos e daí tente novamente se posicionar, se não esquece e tira da tua vida.
4. “Não dê pérolas aos porcos.”, expressão bem adequada para discutir algo que o outro está determinado a não ouvir.
5.  Tem coisas que simplesmente não valem a pena discutir.
6. Surpreenda quem te provoca, aja diferente do que sempre fez.

Todos envolvidos colocam suas emoções sempre em jogo e conciliar cada fala, ter um ouvido mais apurado para respeitosamente ter empatia é fundamental para quem quer e procura ter um equilíbrio emocional mais astuto e uma vida mais harmoniosa. Somos seres vulneráveis, dispostos a estarmos sempre com a razão e com isso o conflito fica fácil de ser estabelecido, mas, mais facilmente dissipado por quem tem este objetivo no cotidiano de não levar adiante uma discussão inútil e sem propósito, e curte viver em paz.

A Comunicação não violenta é como um músculo, precisa ser exercitado e quanto mais habilidade, plasticidade,mais a chance de mudar o rumo da vida em segundos em prol da sanidade mental e do equilíbrio no cotidiano.

Te desafio a fazer diferente da próxima vez, conto contigo.