Tássia escreve a cada 15 dias, sempre nas sextas-feiras.
Só sei que nada sei

Como você lida com as críticas que recebe no trabalho? Você é do tipo que rebate se defendendo de todas elas ou do tipo que escuta, reflete, analisa os prós e contras e muda o que for preciso?

As críticas vêm de todos os lados. É do cliente, do fornecedor, do colega, do chefe. Mas muitas delas são as chamadas críticas construtivas. São aquelas que têm o objetivo de lhe ajudar a corrigir erros operacionais, rever sua postura, cometer menos falhas, se desenvolver, crescer e se tornar uma profissional ainda melhor. Geralmente essas críticas são dadas em feedbacks por gestores, ou por colegas que são próximos a você. São sugestões de como lidar com determinada situação ou resolver certo problema de um jeito mais inteligente. Cabe a você ser humilde o suficiente para agradecer os conselhos e acrescentá-los a sua lista de boas práticas.

Pense comigo: se você ignorar as críticas que podem estar certas a seu respeito, você está sujeito a repetir os mesmo erros. Alô, alô, marciana, nem toda crítica é pessoal e você não deve ficar ofendida sempre. Se você só sabe lidar com elogios, sua autoestima deve ser bem baixa, né? Quem sabe que é bom, sabe que também não é perfeito e, por isso, está sempre buscando melhorar. Lembre-se disso! Além do mais, o lutador que fica sempre na defensiva não perde a luta, mas também não ganha. Que tipo de lutador você quer ser?

Faça uma autoanalise enquanto lê as próximas frases, ok? Quando alguém lhe diz que não gostou de algo que você fez, você sai logo perguntando “por quê?” com cara de desapontada ou irritada? Quando alguém lhe sugere que você faça diferente você contesta com o “mas” para não fazer? Quando alguém lhe pergunta se você pode fazer tal coisa, primeiro você diz “não” e só depois conclui se poderia ou não ter feito de fato? Quando alguém levanta um problema você gasta mais tempo discutindo-o do que gastaria se tentasse resolvê-lo? Se você respondeu sim às quatro perguntas anteriores, parabéns, você acaba de ganhar o troféu de mulher-abacaxi da empresa. Que tal ser mais flexível e cabeça aberta? A sua ideia e o seu trabalho nem sempre são os melhores do mundo e não há nada de errado nisso, sabia?

Até mesmo aquelas críticas que teoricamente seriam as “destrutivas” por serem dadas de uma maneira grosseira podem se transformar em construtivas. Tudo depende do que você vai fazer com os tijolos que jogam em você. Ou você desvia e deixa quebrarem no chão, ou você segura-os firme e vai empilhando-os até construir seu castelo. A pessoa que está lhe criticando até pode não estar bem intencionada querendo “queimá-lo”, mas você, esperta que é, não guarda rancores e ainda aproveita para fazer do limão uma limonada. Se o objetivo do camarada que lhe critica é lhe derrubar, você responde com educação, agradece, deixa-o constrangido e, para sua surpresa, não repete o erro e ainda faz bem melhor da próxima vez. Gol de bicicleta, benhê!