Cris escreve todas as sextas-feiras.
Vamos fugir?

Tem certos momentos na vida que a vontade de sair correndo é grande! Ainda mais nessa época  do  ano. Os compromissos são muitos e, na maioria das vezes, impossíveis de negar. No meio a tantos brindes, o que queremos mesmo é “pedir água” ou, como diria minha vó, “pernas pra que te quero”.

Claro, confraternizar é uma delícia, festejar o ano que finda e estar perto das pessoas, longe do escritório. Nessas horas, acabamos percebendo que as “caras feias” mudam, fora do cenário cotidiano, as pessoas se transformam, umas para melhor, outras, não preciso nem comentar. Tem gente que é chata mesmo, não há o que fazer, mas tem gente que veste uma carapuça na empresa, às vezes pela idade, ou por bagagem mesmo, e fora, vira um grande parceiro de boas conversas e boas risadas. Não deixa de ser uma época de descobertas.

Mas para estar presente em todas, precisamos jogar nas quatro posições. Tem o amigo secreto dos amigos, da empresa, dos pais da escolinha dos filhos, da turma da academia, do tênis ou da dança, da turma da faculdade, dos clientes…. Ufa! Haja fôlego!

Como dizer que não dá? Assumimos todos esses compromissos no mínimo um mês antes da maratona e precisamos estar lá, firmes e fortes. No fim, será divertido de qualquer maneira, mas o cansaço se tornará companheiro. No dia seguinte, o trabalho, a casa, a família, te esperam.

O lance é mudar a lente. Ao invés de focar na maratona, te joga no inverso. Dá pra fugir ao meio dia e reabastecer as energias. Muitas vezes esquecemos de olhar ao redor e deixamos de alcançar a beleza que nos cerca, a natureza esta aí e é nela que podemos ganhar força.

Na hora do almoço, tira uns minutinhos para sentar embaixo de uma árvore, numa praça, e sentir a aquela brisa morna, sem esforço. Coloca o pé na grama, tira o salto. Se tu moras na praia, vai até o mar, molha os pés. Se tu trabalhas no centro e só tem arranha céus por perto, tenta desligar de tudo, coloca uma música que tu adora no fone de ouvido, fecha os olhos e te deixa levar pra longe, imagina que tu estás num lugar que  adora. O pensamento é capaz disso, ele nos abstrai do mundo real e nele ganhamos força, vale tentar. Cinco minutinhos são suficientes, mas é necessário desligar de verdade.

No final de semana, esquece o celular, o computador e descansa de verdade. Pega o carro e vai com a família conhecer uma cidade vizinha, vai pra serra, ou te manda pra praia. Sem horários, sem compromissos, deixa a vida acontecer no tempo dela. Abre mão do tempo como o que conhecemos e respira fundo, porque semana que vem é Natal e o verdadeiro significado desta data está em olhar para dentro, muito além do consumismo que nos absorve.

E depois, quem vem por aí é o ano novo. Lindo e leve, como uma página em branco para contarmos a história do jeito que quisermos. Que tal um livro bem lindo para 2015, com mais amor e menos dor! Nos encontramos por lá. Mas por agora, te desejo Feliz Natal e um Ano Novo surpreendente!