Cristtiane escreve mensalmente, sempre na segunda-feira.
Quem é quem quando o assunto é trabalho


Imagem também é comportamento

Quem aqui já conviveu ou convive , seja no ambiente corporativo ou mesmo no meio do empreendedorismo, e que já se pegou observando que sempre tem alguém querendo levar vantagem falando dos outros? Em resumo, isso não passa de insegurança, de falta de confiança em si e precisa falar dos outros para se sentir em vantagem.

Para este “tipo” de pessoa, sempre alguém estará na berlinda. Seja o chefe “azedo”, a colega “atirada”, o estagiário “lento”, a fulana “insegura” , e assim por diante.

Se isso já acontece quando a economia está respirando bem, imagina quando ela entra em crise? Quando o empreendedor ou colaborador começam a pensar que o próximo a ir para a UTI pode ser  ele?

Isso acontece nas grandes empresas, nas médias, nas pequenas, nas micros e sim também entre quem está oferecendo o mesmo tipo de serviço e brigando pelo mesmo cliente (até de produto e serviço diferente, já vi!).

Salve-se quem puder.

Duas coisas que aprendi nos últimos 18 anos (meu Deus, já 18 anos), precisamos em qualquer circunstância, ter cuidado, atenção sobre o que e para quem falamos qualquer coisa. Sabe porque?

Passamos mais da metade do tempo trabalhando e dividindo, muitas vezes, nossa vida com o colega de sala ou de profissão. Contamos nossas incertezas na intenção de trocar uma ideia, dividimos nossas conquistas pensando em comemorar juntos, buscamos conforto quando não nos saímos tão bem naquilo que tínhamos certeza que éramos suficientemente bons.

A pior das pessoas é aquela que tem duas caras, que se mostra boazinha e que “parece” sempre querer ajudar. 

A história do gafanhoto que procura a aranha para falar mal do camaleão é uma boa fábula sobre falsidade. Sabem essa?

Desconfiado pelo fato do camaleão mudar de cor e ficar atrás da moita esperando sua presa, o gafanhoto tenta unir forças com a aranha para combater o camaleão e sabe o que acontece? Acaba enredado na teia da aranha. O motivo? Boa intenção é uma coisa, prioridade pessoal é outra. Entendeu?

Na primeira oportunidade, tudo se volta contra você mesmo.

Cuidado com o que anda falando de si e dos outros. Nem todo mundo é o que parece ser. O verdadeiro inimigo pode estar próximo dividindo o horário do café e contando histórias que “ouviu” ou se colocando à disposição para o que você ‘precisar”.