Que venham mais Cristinas e Renatas

Seu colega de trabalho, que senta ao seu lado, exerce a mesma função e ganha mais que você? Sim, ainda há diferença salarial entre homens e mulheres, mesmo ocupando cargos semelhantes.

Embora essa discrepância esteja diminuindo, o mercado ainda remunera melhor os profissionais masculinos. Mas há uma boa notícia: enquanto o ganho salarial das mulheres aumentou 13%, de 2000 a 2013, para os homens foi de apenas 2,5%, no mesmo período. Os dados são da Fundação de Economia e Estatística (FEE). A socióloga da  Instituição, Miriam de Toni, avalia que os números podem ser um reflexo cultural.

A securitária, Cristina Borges, sentiu na pele essa diferença. “Eu tenho o mesmo cargo que meu colega, e até acumulo mais atividades, mas mesmo assim ele ganha mais”, confessa, que prefere não identificar seu nome verdadeiro para preservar sua atividade na empresa.

Em entrevista publicada no Negócio Feminino, a especialista de Gestão de Recursos Humanos, Janaina Perez, salienta que houve uma considerável diferença nesse hiato. “Acredito que há mais homens ocupado melhores posições nas organizações por estarem há mais tempo no mercado”. O diretor de recursos humanos da TimacAgro, Ricardo Alves, na mesma entrevista, complementa: “Não visualizo mais diferenças quando a mulher ocupa uma função que até então era masculina”.

Na contramão de Cristina, a administradora Renata de Andrade conta que está satisfeita com o salário, mesmo trabalhando cerca de 10 horas diárias. “Ganho mais que meu marido, e ocupo um cargo superior ao dele também”, conta que no início do relacionamento ele não aceitou muito bem.

Esse cenário da Renata, é explicável pela socióloga da FEE. “A mulher está há décadas lutando pela igualdade no mercado de trabalho”, salienta Miriam. E afirma que se encaminha para uma igualdade. “Quando se fala em cargos de liderança, há um movimento das mulheres para esses postos, mas ainda muito lento”.

Que venham mais Cristinas e Renatas.

Números da FEE, de 2000 a 2013

180 mil mulheres entraram no mercado de trabalho x 162 mil homens
78% foi o ganho salarial da mulheres x 44% dos homens