Especial Saúde no Trabalho
Aceita um cafezinho?

Você tem uma agenda corrida, sai de um cliente e já começa em outro. Quando chega no escritório para cumprir a última agenda do dia a primeira pergunta que a secretária faz é se aceita um cafezinho. Rapidamente você faz o cálculo: quinta reunião, duas xícaras para cada compromisso, total de 10 cafezinhos. E o dia nem acabou ainda. A resposta é rápida: “Claro, obrigada!”.

Por muito tempo o café foi vilão, mas hoje muitos profissionais da saúde já chamam a atenção para alguns benefícios da bebida. Salvo, em excessos. Claro. Assim como tudo o que é consumido além da quantidade ideal fará mal à saúde – e o seu consumo excessivo, aliado a uma rotina estressante, acaba por enfatizar seus malefícios. “O café é símbolo de hospitalidade e cordialidade, e nós, brasileiros, sempre convidamos "para um cafezinho". Por isso, vale a pena entender quais os benefícios e malefícios que esse hábito nos traz”, salienta a nutricionista, Amanda Regina.

A profissional destaca que a bebida é rica em antioxidantes e melhora a taxa de oxigenação do sangue. “Ele ajuda a aumentar o foco e a concentração, sendo uma boa maneira de começar o dia ou ainda antes da prática de atividade física, pois pode aumentar a produtividade”, explica. Bem propício para o ambiente corporativo. Ainda há estudos em andamento que buscam comprovar que o consumo do café previne doenças como depressão, diabetes e a diminuição de uso de drogas ilícitas. Mais um benefício que acaba refletindo na produtividade profissional.

A matemática é simples de novo. “A cafeína chega em menos de 20 minutos às células do corpo após a ingestão do café, estimulantes do sistema nervoso. Em falta, a dopamina pode causar depressão. Em excesso, aceleração e manias”, alerta a nutricionista Amanda Regina. Ponto negativo se aliado ao trabalho.

Para os amantes do cafezinho, responder ‘não, obrigada’ para aquela perguntinha a cada reunião é um grande desafio, muito mais do que fazer uma apresentação sobre o novo projeto ao grupo de acionistas da empresa. Mas é bom ficar atenta aos excessos.

Enquanto isso: Aceita um cafezinho?

O excesso do café, considerado acima de quatro xícaras de 50 ml, pode provocar: redução da oxigenação de neurônios, ação diurética excessiva (levando à perda de minerais e vitaminas), produção de mais ácido clorídrico(agravando gastrites e úlceras) e pode agravar a ansiedade, tão comum atualmente.

Dicas para consumo:

Não ultrapasse quatro xícaras no dia. Se for preciso, estabeleça cotas: uma pela manhã, uma no meio da manhã, uma após o almoço e uma no meio da tarde, não ultrapassando 50 ml.
Fique atento aos valores do colesterol, pois o café contém uma substância gordurosa que pode elevar os níveis.
Pelo café ser diurético, capriche na ingestão de água para compensar e não haver perdas de minerais.
Não ingerir o café à noite, pois pode provocar insônia em algumas pessoas.
Não adoce muito o café. Experimente tomar amargo e apreciar o seu real sabor. Se for utilizar adoçante, pingue gota a gota e não esguiche, pois pode estragar a bebida.