Especial Saúde no Trabalho
Muito quente ou muito frio

Sabem aqueles dias que mal dá pra ir até a esquina, que já ficamos suadas? Ou o inverso, quando está tão frio, que chega a doer o nariz ao respirar na rua? Então, não dá para negar que o ar-condicionado proporciona conforto à rotina de trabalho, sem contar que ele impede o superaquecimento de equipamentos eletrônicos. O problema é que encontrar uma temperatura confortável para todos é praticamente impossível, especialmente quando se trata de equipes que tenham homens e mulheres.

Uma regra é certa: quanto mais frio, mais risco de danos à saúde. Não que sentir um pouco de frio provoque algum problema de saúde para a maioria das pessoas, mas há, sim, gente que é extremamente sensível a mudanças de temperatura.

De acordo com a otorrinolaringologista e alergista, Mônica Menon, doutora em ciências médicas pela FMUSP, uma das funções fisiológicas do nariz é filtrar, aquecer e umidificar o ar que inspiramos, para que ele chegue ao pulmão de forma agradável. Porém, o ar-condicionado tem justamente o objetivo inverso: ele esfria e retira a umidade do ambiente. Ou seja, conforme a médica, quem fica exposto à sua ação durante muitas horas pode sofrer com o ressecamento das vias respiratórias e, consequentemente, sentir dificuldade e desconforto para respirar, além de outros sintomas como tosse, garganta seca e sensível, irritação no nariz e olhos.

Palavra de especialista

O médico do trabalho Fernada Salatino ensina que a temperatura ideal deve girar em torno de 21 a 24 graus, sendo confortável e econômica ao mesmo tempo. Segundo ele, é possível, sim, que o condicionado no ambiente profissional seja capaz de influenciar na produtividade das pessoas. “A temperatura muito quente ou muito fria determina perda de concentração, contraturas musculares, stress, fadiga, desidratação e até a possibilidade de doenças de vias aéreas superiores”, alerta.

Sobre a diferença entre os sexos, ele explica que alterações hormonais e de distribuição da gordura corporal interferem nas temperaturas de homens e mulheres, sendo que elas realmente sentem mais frio, em via de regra. “Acima dos 50 anos, as temperaturas se tornam mais equilibradas, devido novamente às alterações hormonais, ocasionadas pela menopausa e andropausa.”

Sempre limpo

O ar-condicionado pode ser herói e vilão ao mesmo tempo, mas, se não for mantido higienizado adequadamente, o segundo título será ainda mais comum. Quando não há esse controle, pode provocar e agravar doenças como resfriados, pneumonias, conjuntivites, rinites, asma e alergias respiratórias. O aparelho acumula impurezas do meio ambiente, ou seja, pode espalhar bactérias, ácaros, fungos e até mesmo pelos de animais.

Para se proteger

Se mesmo com o ar-condicionado na temperatura indicada e com a limpeza em dia, você ainda se sentir desconfortável, existem algumas práticas que podem amenizar a situação. É o caso do uso de soro fisiológico ou gel nasal, que pode ser utilizado sempre que necessário. Também é importante mater-se hidratado, com uma média de meio copo de água de hora em hora. E para quem trabalha em locais onde há ar-condicionado central e não é possível controlar a temperatura do ambiente, não tem jeito, só deixando sempre um casaquinho por perto para se manter confortável durante o dia de trabalho.