Fernanda Rosito escreve nas segundas-feiras.
Tem coisas que o dinheiro não paga

Tem coisas que definitivamente o dinheiro não paga. Poderia citar centenas, desde montar a árvore de Natal até uma lambida do Pipoca, meu York Shire. Mas esse texto é especial porque depois de bastante tempo (e bastante é mais que muito) tive um final de semana de folga.

Ok, ok, ok. Passei boas horas pensando no que eu tinha para fazer na segunda-feira e aquela coceira infernal na ponta dos dedos para teclar no laptop. Mas resisti. Bravamente. E não doeu.

Mais do que isso. Me permiti descansar a cabeça, relaxar o corpo e aproveitar o sábado e o domingo (lindo de sol) com a família. Uma almoço com amigos, uma passei com o enteado e um jantar com o marido. Ah, tem coisas que o dinheiro não paga...

Ok, ok, ok. A segunda foi super corrida e, enquanto escrevo esse texto às 19h22 no sofá da sala enquanto o marido assiste TV, eu ainda tenho uma matéria para fechar. Mas o dia doi bem produtivo, com direito a paradinha no meio da tarde para comer um pedaço de nega maluca com chá de Camomila.

Ah, tem coisas que o dinheiro não paga...

Ok, ok, ok. Tudo é uma questão de opção. Eu tenho dito e repetido várias vezes que a minha recente descoberta sobre ‘gestão do tempo’ tem sido fantástica. Isso porque não acredita na eficácia disso e, por total falta de conhecimento, não dava bola. E qual foi a minha surpresa? Simmmmm, funciona e bastante! Minha produtividade aumentou significativamente e, pasmem, com isso eu consegui ter meu primeiro final de semana, depois de muito tempo, só pra mim.

Ok, ok, ok. Vão me perguntar sobre a culpa. Ela, aos poucos, vai dando lugar à organização. Ela, aos poucos, vai dando lugar à vida. Aos poucos, vamos percebendo que o que importa mesmo é a qualidade do trabalho executada e não às horas que ficamos debruçadas na frente do computador. Isso é ilusão.

Aos poucos, nos damos conta que é possível agir com a lei da compensação. E ter o controle do nosso tempo e a agenda nas nãos nos torna fortes para dizer não. Não, não posso. Posso tal dia e horário. E assim, a vida vai girando. Assim, vamos organizando o tempo e a agenda.

Ah, tem coisas que o dinheiro não paga.