Caroline escreve mensalmente, sempre nas terças-feiras.
Protagonista - Comportamento

“Pela primeira vez, literalmente pela primeira vez, um numero substancial e crescente de pessoas têm a possibilidade de fazer escolhas. Pela primeira vez, as pessoas terão que administrar a si próprias. E é preciso que se diga uma coisa: elas estão totalmente despreparadas para isso”

Peter Drucker

Essa frase de Peter Drucker gerou um grande impacto na minha vida, pois me levou a pensar qual o papel eu estava ocupando na minha história de carreira.

Atualmente, estamos diante de um mercado de trabalho em ebulição, totalmente volátil, ambíguo, complexo e incerto. Sem dúvidas, estamos vivendo um período turbulento onde, como pano de fundo, a automação está redefinindo o conceito mais antigo que temos sobre o que é trabalho.

A adoção de robôs cresce, não apenas nas fábricas, mas também nos escritórios. A possibilidade de automação de diversas ocupações: do operador de telemarketing ao contador, do economista ao vendedor de varejo, é uma realidade.

Você está preparada para a sua profissão ser automatizada? Ou ainda, você já parou para pensar quais etapas do trabalho que você desempenha hoje, podem ser automatizadas?

Está transformação causa maior impacto e chama atenção, tanto em palestras como nos meios de comunicação, pela ruptura e impacto. Contudo, há outra transformação em curso tão importante: o aumento da expectativa de vida.

Não veremos mais pessoas se aposentando aos 6o anos, o que proporciona uma elevação do tempo de permanência no mercado de trabalho, ou seja, as pessoas irão continuar conectadas às empresas, mudando o conceito de produtividade que temos hoje.

Como você esta posicionado nesse cenário? Hoje, você teria condições de gerar renda sem o aporte de uma empresa por trás?

Nos últimos 60 anos, o mercado de trabalho, para profissionais qualificados funcionou como uma escada linear, onde após a faculdade ou durante, se conseguia um emprego e você se preparava na própria empresa ou aparecia outra possibilidade e você migrava.

Era um momento onde se recebia treinamento e a medida que ganhasse experiência, seria lançado escada acima na hierarquia organizacional e se a sua atuação fosse boa e correta, você subiria cada um dos degraus acumulando poder, renda e estabilidade, até que chegasse o momento de sair da escada para a aposentadoria permitindo que outras pessoas subissem desfrutando de uma vida confortável.

Óbvio que não era tão automático assim, mas havia uma sensação de que se você fosse competente, se empenhasse bastante e não tivesse azar, no devido tempo os ventos soprariam a seu favor. Isso era a expectativa da grande maioria das pessoas e talvez ainda seja a sua.

Milhares de profissionais formados na era do emprego esperam por essa trilha, a trilha de crescimento definida pela empresa. Mesmo percebendo a dificuldade do plano linear, ainda aguardam que o chefe ou a área de RH tragam as respostas sobre seus próximos passos.

Ao invés de abraçarmos a mudança, como condição para construção de futuro profissional, nos mantemos insatisfeitos com o trabalho e com os rumos da carreira.

Nutrimos uma falta de expectativa positiva quanto a mesma, nos tornamos desengajados e a nossa produtividade reduz. Como solução, nos socorremos de antidepressivos e ansiolíticos, que aumentaram o seu consumo em 74% e 110%, respectivamente,  em 6 anos no Brasil,  sem falar que, 32% dos brasileiros estão em nível de burnout. Você ainda tem dúvidas sobre o papel que estamos ocupando diante da nossa vida profissional?

Estamos diante do novo. Novo paradigma e uma nova perspectiva, e com eles um novo comportamento é necessário que de conta da construção de uma carreira: promissora, significativa e de resultados.

A carreira e sua jornada precisa estar sob o seu comando. Você precisa assumir o único e verdadeiro papel nessa história, o de protagonista que molda o seu futuro, sendo capaz de criar e seguir o seu próprio direcionamento de carreira em uma trilha profissional que lhe traga satisfação pessoal, resultados concretos e impacto positivo.

E ai, qual o papel você esta assumindo, hoje, na sua carreira?