Coragem para mudar

De um momento difícil foi que veio a decisão de empreender e a relações-públicas Luciana Sant'Anna não deixou a oportunidade passar. Cheia de determinação, ela resolveu ir em busca da sua felicidade e ajudar os outros a também fazerem o mesmo. Relações-públicas por formação, se especializou em Marketing e, hoje, trabalha para unir essas áreas aos processos de coaching e, para isso, conta com simpatia, disponibilidade e uma vontade enorme de fazer o bem.

Confere abaixo um pouco da trajetória de Luciana, contada exclusivamente ao Negócio Feminino:

Negócio Feminino: Como foi o início da tua carreira e o qual o motivo de teres optado por Relações Públicas?

Luciana Sant'Anna: Sempre adorei eventos. Desde pequena, organizava os da família, dos amigos, do Grêmio Estudantil da escola. E, quando estava decidindo pela minha área profissional, fiquei em dúvida entre Relações Públicas e Jornalismo (já que sempre gostei muito de ler e escrever), até que minha mãe me motivou a buscar a primeira opção.  Realmente, eu amava e, no início da minha carreira, trabalhei muito com isso. Logo após me formar, me especializei em Marketing de Serviços e consegui, então, integrar as duas áreas que era apaixonada: eventos e marketing.

NF: Tiveste passagem pela APAE. O que a motivou a atuar com a área social?

LS: Sempre tive um envolvimento com a APAE pelo fato de ter uma irmã com deficiência intelectual, e minha família ser voluntária há muitos anos da instituição. A oportunidade surgiu com o desafio de implantar o setor de marketing, e na hora não tive dúvidas. Com certeza seria uma grande experiência (e foi!), pois havia coordenado o marketing apenas em empresas privadas e o terceiro setor era um desafio. Bem, tudo era mais difícil, pois precisávamos de verba, apoios, patrocínios, e com isso aprendi muito. Com certeza, uma experiência inesquecível. Sinto saudades de todo carinho que recebia dos alunos queridos das escolas. Foi um trabalho muito gratificante.

NF: E  a decisão de empreender, como chegou?

LS: Digamos que chegar até aqui não foi fácil. Estava em um momento que não me atraía mais trabalhar dentro de empresas, com sistema burocrático, batendo ponto, cumprindo horário e tendo que aguentar coisas que eu não podia mudar. Ser “livre”, fazer as coisas do meu jeito e realmente vê-las acontecerem estava me atraindo muito mais. Certo dia, senti algo muito ruim e, então, surtei (entenda-se por não ter controle sobre minhas emoções), tive crises de choros, fortes dores de cabeça, dor no peito. Ouvi de um médico sobre estar em uma crise de ansiedade e que a saída seria tratamento com medicação. Nunca fui a favor de remédios e neguei.

Então, decidi mudar esse cenário. Procurei terapias alternativas, exercícios, alimentação saudável e um pensamento: a absoluta certeza que aquilo passaria e me levaria para um lugar muito melhor. Procurei cursos, entre eles o de Practitioner em PNL, e criei coragem para investir no meu sonho: um curso de Coaching. Foi quando consegui me libertar, mudei minha forma de ver as coisas e tinha a certeza de que eu sairia daquela fase ruim. Descobri o óbvio: se eu mudasse, tudo em minha volta mudaria. E o principal que aprendi com a PNL e o Coaching: tudo dependia apenas de mim. Com tudo mais claro e leve, consegui planejar minha meta de juntar meu conhecimento das áreas de Comunicação e Coaching para poder empreender e ajudar outras pessoas a se descobrirem e realizarem seus sonhos.

NF: Muitas vezes, o processo de coaching pode ser amplo. Como pretender uní-lo com Comunicação?

LS: A comunicação interna e o endomarketing sempre foram áreas que me atraíram trabalhando como Relações Públicas e Marketing. Tive uma boa experiência, pois sempre dei uma atenção maior à valorização dos funcionários, crescimento e desenvolvimento dos mesmos. Quando busquei o Coaching, tive a certeza de como iria empreender e criei então a Sintonia, uma empresa que uni tudo que amava fazer: Coaching, Comunicação interna/Endomarketing. Uma empresa focada no desenvolvimento de pessoas, que busca oferecer para pessoas e empresas o processo de Coaching.

NF: Se existisse uma receita para ser feliz, qual indicaria?

LS: Ixi, uma só é difícil. Então, em primeiro, se desapegue do passado, você não tem mais influência sobre ele, salvo ser grato por todos os aprendizados que o mesmo traz. Em segundo, viva seu presente, mas sempre atuando com foco em seus objetivos e metas. Escolha ser feliz, tudo depende de nós. Você mesmo pode escolher por enxergar um dia frio e chuvoso, como apenas um dia cinza e chuvoso, ou como uma boa oportunidade para tomar um banho quentinho, ficar embaixo das cobertas, tomando um chocolate quente e curtindo as coisas boas que a vida nos dá. Não seja vítima, não culpe ninguém por seus resultados, você é, definitivamente, o responsável por suas escolhas.

Rapidinhas:

Defina quem é a Luciana Sant’Anna: Leve. Feliz. De bem com a vida.
Um sonho: Já realizei vários, mas o próximo são meus filhos.
Um livro: Inteligência Emocional – Daniel Goleman
Um filme: Poder além da vida, de Victor Salva
Uma frase inspiradora: “Um homem pode fracassar muitas vezes, mas só é um fracassado quando começa a culpar outra pessoa.” (John Burroughs)