Emoção, sentimento e garra são palavras simples, mas que resumem muito bem

Quem não conhece, ainda vai ouvir falar nela. Formada em design, é fundadora da Gema, uma agência que desenvolve ações com um toque emocional. A guria já trabalha com isso há cinco anos, mas, como não estava satisfeita, criou o Albiss. A ONG um espaço de incubação e mentoria de ideias, projetos e negócios. Lá se vão mais dois anos de trabalho. Vale a pena saber um pouco mais da Jennifer,do Albiss e da Gema. Confere ai:

Negócio Feminino: Como surgiu o Albiss na tua vida?

Jennifer Forell: A Gema surgiu na incubadora da Feevale. Eu sentia muita falta de conectar as empresas, isso porque na incubadora cada um ia para a sua salinha e não tinha conexão de negócios entre as empresas. E quando tu inicias, subentende-se que tu vais para uma incubadora para ter amparo, se relacionar com pessoas que te farão crescer, indicar para outros projetos, te fazer criar forças no mercado que é mega competitivo. Mas não tive isso na incubadora, então saí de lá com esta intenção, de montar um espaço onde fosse um albergue de negócio em que as empresas se indicariam.

NF: Na prática, como funciona?

JF: Todas as empresas não iniciantes, mas algumas sim, outras não, mas que precisam de conexões, de indicações, de força maior para conseguir se manter no mercado. O Albiss evoluiu tanto nesse modelo de negócio que se transformou em uma ONG. Assim, temos condições para captar recursos financeiros para ajudar a patrocinar alguns projetos.

NF: Qual o foco para 2015?

JF: Para este ano, nosso objetivo maior é ajudar empresas iniciantes, sem condições financeiras para pagar por um espaço. Cada empresa pagará um valor simbólico e, durante o período de um ano e meio, vamos trazer mentores que auxiliem essas pessoas em dúvidas que tiverem ao longo da construção da empresa. “Eu não sei fazer um plano de negócio“, “Eu preciso de ajuda financeira”, “Eu preciso de um advogado”, todas essas questões básicas que, para quem inicia, desconhece. Com a nossa rede de parceiros, isso facilitará.

NF: Em um ano e meio ela se torna maior de idade e vai para o mundo?

JF: Exatamente. E aí se refaz as inscrições e se faz tudo de novo, começando do zero.

NF: Nesse meio tempo, nesse período de um ano e meio, pode sair e entrar outras?

JF: Pode. Se, eventualmente, alguma das empresas achar que já está pronta, ela pode sair e aí abre processo seletivo para entrar a próxima.

NF: E qual é o critério para entrar? O que define que esta empresa pode fazer parte do Albiss?

JF: O principal critério é estar preparado pra trabalhar num espaço coletivo e com projetos sociais. Porque, apesar de tu teres uma empresa, tu vais cuidar do teu negócio, tu não vais estar na tua salinha fechado, mas em um espaço aberto, coletivo e colaborativo. E mais importante: vai ter o suporte de pessoas que vão estar disponíveis para ajudar cada empreendedor. E deves estar de acordo com os valores do Albiss.

NF: O que o Albiss representa para ti hoje?

JF: Não vou te dizer que ele é a realização de um sonho, mas eu acredito muito nele. E, eu vou te dizer que, hoje, eu sou a única que acredita nele. Porque é muito difícil, pelo menos para a região em que a gente vive, as pessoas não pensarem em dinheiro. Eu precisei de muita ajuda no início, mas não tive. Por isso, gostaria que outras pessoas não passassem pelo que eu passei. Eu quero que elas tenham suporte para conseguir andar mais rápido do que eu andei. Eu não sei te dizer em uma frase o que significa para mim. Mas eu sinto a necessidade de fazer um projeto social, eu não quero ganhar dinheiro com isso. Quero que tenha projetos no mercado e que esses projetos consigam se manter.

NF: E aonde é que entra a GEMA aí?

JF: Só porque eu sou mentora, porque, teoricamente, não tem ligação.

NF: Digo na tua vida...

JF: Na minha vida, como profissão. É a minha fonte de renda, porque a ONG não me dá sustento. Eu não ganho nada com a ONG. Eu trabalho com design na GEMA e eu gosto muito do que eu faço, então é a minha profissão e é nisso que eu ganho dinheiro. O Albiss é um projeto social em paralelo.

NF: Quais os planos para a GEMA?

NF: Eu gostaria de ser reconhecida com o design emocional. Eu gostaria que as pessoas pensassem em design emocional, é com isso que eu quero trabalhar. Essa é a minha visão de negócio. A minha visão não seria fazer todos os projetos com o verdadeiro envolvimento sem que tivesse um planejamento. Agora tu para aqui porque a câmera vai te pegar ali. Não, sabe. Quero que as pessoas vivam de verdade aquela situação e se emocionem.

NF: Jennifer, falamos do Albiss, da GEMA, e onde é que entra a Jennifer?

JF: Eu posso falar bem pessoal, fora dos negócios? Eu estou num momento de muito autoconhecimento. Inclusive, estou pensando em fazer viagens, sozinha, de voluntariado ou para a Índia para meditar. Se eu pudesse viver só por essas coisas sociais, eu viveria. Tranquilamente. Se não existisse dinheiro, eu seria muito mais feliz. Mas existe e eu preciso trabalhar. Me considero feliz em conseguir trazer isso para o meu trabalho. Isso é muito forte para mim e está muito aflorado neste momento. Não era tanto... Então acho que isso resume o que eu sou hoje. Por isso eu digo que só eu acredito no Albiss. Acho que isso resume quem sou eu.