Gestão financeira do Caí nas mãos de Camila Bohn Flores

A secretária da Fazenda, Gestão e Recursos Humanos de São Sebastião do Caí (RS), Camila Bohn Flores, tem a missão de adequar o novo código tributário com o sistema municipal. Diante dessa mudança, que começa a valer a partir de 1º de janeiro para todos os municípios brasileiros, a gestora já está com sua equipe a todo vapor, fazendo além do que a legislação exige. “Estamos fazendo um pente-fino no código tributário da cidade que vai demandar muito mais tempo. As alterações complementares à lei já foram realizadas e, referente, a isso já estamos tranquilos, mas ainda estamos trabalhando muito para adequar tudo”, explica Camila, concursada há 15 anos e que assume pela primeira vez a pasta da Fazenda. No ano passado, assumiu por 9 meses a Secretaria Municipal de Administração e Planejamento. 

A meta do governo, diante das dificuldades financeiras de todos os municípios, é manter o funcionalismo e os serviços em dia. A educação municipal é considerada de excelência na cidade. “A economia não permite fazer o investimento a mais que gostaríamos, mas estamos trabalhando no positivo, diferente de muitas prefeituras gaúchas”, frisa. A saúde financeira da cidade está em dia. “Sempre conseguimos nos manter dentro do orçamento e estima-se arrecadar cerca de R$ 82 milhões para esse ano. Não vai dar um superávit expressivo até em função da economia e do cenário político atuais e desfavoráveis”, destaca.
De acordo com a titular, o orçamento não está crescendo como em outros anos. “Desde 2009, o PMDB fez um trabalho intenso na arrecadação e está tendo continuidade com o prefeito Clóvis”, acrescenta a titular. De acordo com o prefeito Clóvis Alberto Pires Duarte, está se mantendo os bons índices em todas as áreas. “Mas naquilo que podemos fazer mais e melhor, ficamos restritos”, lamenta. Entre as principais propostas, está a restauração do prédio atual da prefeitura e do antigo Clube Aliança e a ampliação do Centro de Cultura, todos localizados no Centro do Caí.

Competência técnica
Para gerenciar a gestão financeira da prefeitura que Camila foi designada. E, na maioria das vezes, tem que dizer não. Assumiu a pasta, trazendo seus anos de experiências como bancária e suas especializações em elaboração de projetos que executou na Secretaria de Planejamento. “Quando comecei a trabalhar na prefeitura não havia ninguém que soubesse elaborar projetos e daí me capacitei para isso”, lembra. A ex-soberana da Festa da Bergamota (tradicional evento da cidade) assume que é um desafio gerenciar a gestão financeira do município, mas que com uma boa equipe pode-se fazer muito e com muita eficiência.
Normalmente, rodeada por colegas homens, Camila frisa que a conduta que a mulher adota é que vai definir o sucesso do seu trabalho. “O mais importante é o trabalho; por isso, não podemos nos melindrar. Com o tempo e o convívio, tu consegues mostrar a tua capacidade e adquirir o respeito e o reconhecimento que mereces!”

Exemplos femininos
Em São Sebastião do Caí, as mulheres já ‘comandam’ a cidade, além de Camila, há titulares femininas na Delegacia de Polícia, na Defensoria Pública e no Fórum. A gestora da Fazenda é uma das três secretárias municipais que assumiu o primeiro escalão do governo Clóvis Duarte, montado por profissionais técnicos. O prefeito chegou a ‘bater de frente’ com o partido e persistiu na postura. A prefeitura do Caí tem hoje sete secretários ‘técnicos’.
Camila assumiu a pasta por ser uma profissional gabaritada para o cargo. “Eu confio na Camila e não sei se outro homem, que também confio, teria a mesma competência que ela para assumir esse cargo”, destaca Duarte. Segundo ele, as mulheres têm mais jogo de cintura que os homens e são multifuncionais. “Até os mais machistas têm que admitir que as mulheres estão tomando conta de seus espaços por serem mais competentes, e são!”

São Sebastião do Caí em números (R$)
Arrecadação anual de 2016 – R$ 79.226.668,46
ISS/2016 – R$ 2.873.462,61
PIB Per Capita/2014 – R$ 23.368,98
PIB/2014 – R$ 572.937,35 (mil)

 

Por Grazi Sauer Branco/Crédito Ricardo Marques/Divulgação