Fernanda Rosito escreve nas segundas-feiras.
Já leu o último artigo da Cris Lavratti?

Você leu o artigo de sexta da Cris Lavratti? Não? Então, clica aqui e dá uma espiada... Bem, ela conta de um almoço com uma tal amiga (no caso eu) que conta uma história desde os tempos da faculdade.

Esse fato sempre me vem à cabeça em momentos difíceis. E, engraçado, coincidência ou destino, essa semana que passou foi um caos. Meu note estragou, troquei o dia de uma entrevista, pneu furou, briguei com o marido e, por fim, meu cachorro ficou doente. Sim, tudo em únicos cinco dias. Começou na segunda para dar aquele ‘ar’ de segunda-feira...

Confesso que, por vezes, esperneei e chorei. Mas segui. Forte. Firme. E com a garra que sempre tive. Esperneei de novo. Chorei mais um pouco... Na sexta, para fechar a semana com aquele ‘ar’ de sexta, meu note voltou pra casa lindo, limpo, arrumado e rápido. Bota rápido! O pneu já estava trocado, a entrevista reagendada e o cachorro já estava normal de novo. O marido? Fez uma jantinha regada a espumante e amor. Muito amor.

Podem ser exemplos simples, do cotidiano e até fúteis. Não importa. As coisas boas da vida estão, sim, nas pequenas coisas. São por elas que enxergamos o mundo, cada um com os seus olhos. Alguns precisam de lentes para alcançar o que buscam. Lentes essas que dão maior proporção às coisas e as tornam maiores do que realmente são.

E não falo apenas a acontecimentos ruins, a dificuldades ou a medos. Mas a alegrias, felicidade, tranquilidade e, principalmente, ao amor. Quem vive com o coração tranquilo não se incomoda com a chuva, a usa para lavar a alma e o espirito. Não se incomoda com o vento, o usa para espantar as incertezas. No se incomoda com o calor, o usa para recarregar as energias. O frio? Aproveita para dar um abraço bem apertado em que ama.

Pensa nisso. E leva para a tua vida pessoal e profissional. Com o tempo, vais perceber o quanto a vida pode ser mais leve e muito mais divertida.